Categoria: Resenha

Resenha – Eu, Robô

Eu robo - capaEu, Robô
Título original: I, Robot
Autor: Isaac Asimov
Editora: Aleph
Páginas: 320

Sinopse
Sensíveis, divertidos e instigantes, os contos de Eu, robô são um marco na história da ficção científica, seja pela introdução das célebres Leis da Robótica, pelos personagens inesquecíveis ou por seu olhar completamente novo a respeito das máquinas. Vivam eles na Terra ou no espaço sideral; sejam domésticos ou especializados, submissos ou rebeldes, meramente mecânicos ou humanizados, os robôs de Asimov conquistaram a cabeça e a alma de gerações de escritores, cineastas e cientistas, sendo até hoje fonte de inspiração de tudo o que lemos e assistimos sobre essas criaturas mecânicas.

Opinião
Eu, robô é um livro de Isaac Asimov, aonde ele reúne alguns contos sobre robôs, falando desde o começo da robótica, onde o robô não era aceito pela humanidade, até os dias atuais, onde o papel dos robôs é cada vez mais importante. As histórias giram em torno de Susan Calvin, personagem que participa diretamente ou indiretamente de todos os contos, e discute as aplicações e implicações das leis da robótica.

É um livro antigo, publicado em 1950, porém se mantém atual até hoje. Ele propõe discussões sobre os benefícios e malefícios da tecnologia e as implicações disso no nosso futuro. O filme de mesmo nome, lançado em 2004, possui muitos elementos retirados desses contos.

Apesar de se basear apenas em robôs e sua interação com a humanidade, gostei muito livro. O autor leva ao limite as leis da robótica, criando paradigmas e situações complexas para os personagens. Os contos são curtos, as histórias são simples e a linguagem é fácil de ler, o que torna a leitura fluida e agradável.

Não há raças alienígenas, guerras interplanetárias nem super naves espaciais, no entanto, recomendo esse livro para todos que gostam de ficção científica, especialmente robôs.

Nota 7

Engenheiro eletricista, rato de biblioteca e apaixonado por livros, filmes, jogos de computadores e de tabuleiro.

Resenha – O Homem de São Petersburgo

O homem de sao petersburgo - capaO Homem de São Petersburgo
Título original: The Man from St. Petersburg
Autor: Ken Follet
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Comprar:Amazon|Submarino|Americanas

Sinopse
A história pode estar prestes a mudar. 1914: a Alemanha se prepara para a guerra e os Aliados começam a construir suas defesas. Ambos os lados precisam da Rússia, que enfrenta graves problemas internos e vive na iminência de uma revolução. Na Inglaterra, Winston Churchill arquiteta uma negociação secreta com o príncipe Aleksei Orlov, visando a um acordo com os russos.

No entanto, o anarquista Feliks Kschessinsky, um homem sem nada a perder, está disposto a tudo para impedir que seu país envie milhões de rapazes para os campos de batalha de uma guerra que nem sequer compreendem. Para isso, ele se infiltra na Inglaterra com a intenção de assassinar o príncipe e, assim, frustrar a aliança entre russos e britânicos.

Opinião
“O Homem de São Petersburgo” é um livro de ficção escrito por Ken Follet, originalmente publicado em 1982.
A história tem como pano de fundo as negociações diplomáticas entre Inglaterra e Rússia que antecederam a primeira guerra mundial. Um casa da aristocracia inglesa recebe um príncipe russo para negociar uma aliança entre os países antes que a guerra comece, no entanto, um anarquista russo é designado para impedir que essas negociações aconteçam e assim evitar que a Rússia entre na guerra.

Mesmo sendo um livro de ficção, ele baseado em alguns fatos e personagens reais, como Winston Churchill, e tem no início do livro as fontes de onde os fatos foram retirados. O autor fez uma grande pesquisa e apresenta um excelente panorama da época, descrevendo desde as comidas às casas e acomodações dos personagens.

Este é um romance histórico muito bem escrito por Ken Follet aonde ele consegue dosar muito bem o nível de detalhamento para que a leitura não fique maçante. Os personagens são muito bem descritos e desenvolvidos, mostrando como era o pensamento da época e os conflitos ideológicos que eles enfrentam.

Acredito que a parte histórica é realmente apenas um pano de fundo para a história, talvez pela falta de ferramentas de pesquisa ou informações na época em que o livro foi escrito. O fato é que o foco principal do livro é o romance de alguns dos personagens e suas implicações no contexto. Para as pessoas que esperam um livro mais histórico, como a trilogia “O Século” em que praticamente tudo é baseado em fatos reais, é bem provável que se decepcionem. No entanto, se você quer ler um bom romance baseado no início do século XX, esse é uma ótima indicação.

Nota 7

Engenheiro eletricista, rato de biblioteca e apaixonado por livros, filmes, jogos de computadores e de tabuleiro.

Resenha – The Dispatcher

The Dispatcher capaThe Dispatcher
Autor: John Scalzi
Editora: Subterranean Press
Páginas: 128
Comprar: Amazon

Sinopse
One day, not long from now, it becomes almost impossible to murder anyone – 999 times out of a thousand, anyone who is intentionally killed comes back. How? We don’t know. But it changes everything: war, crime, daily life. Tony Valdez is a Dispatcher – a licensed, bonded professional whose job is to humanely dispatch those whose circumstances put them in death’s crosshairs, so they can have a second chance to avoid the reaper. But when a fellow Dispatcher and former friend is apparently kidnapped, Tony learns that there are some things that are worse than death, and that some people are ready to do almost anything to avenge what they see as a wrong. It’s a race against time for Valdez to find his friend before it’s too late…before not even a Dispatcher can save him.

Opinião
The Dispatcher é um livro de John Scalzi que primeiro foi publicado em audio book e depois transcrito para o livro físico. É um livro curto, com 130 páginas que conta a história de um futuro em que 99% das pessoas assassinadas reaparecem em suas casas sã e salvas. O problema é que em alguns raros casos a pessoa assassinada não volta e continua morta e ninguém consegue explicar o porque as pessoas voltam ou não. O fato gera implicações na vida de todas as pessoas, principalmente na área da medicina, pois se a pessoa morrer de morte natural ela não retorna.

A história começa quando um despachante, que são oficiais legalmente autorizados para “despachar” pessoas, some e seu amigo é recrutado para ajudar a encontra-lo. Como já disse em outra análise, a escrita de John Scalzi é um dos pontos fortes de seus livros. Ele consegue narrar a história de maneira ágil e fluida, sempre usando muito humor e prendendo o leitor desde as primeiras páginas.

Neste livro, além da ótima qualidade da edição, com capa dura e papel de maior gramatura, o que chama a atenção são as belas ilustrações que ajudam o leitor na imersão da história. A descrição dos personagens e lugares é bem mais sucinta, talvez pelo fato de ter vindo de um áudio book. O que não chega a atrapalhar o entendimento da história.

Gostei muito do livro no geral, é uma história rápida e fácil de ler e traz uma ideia interessante. No entanto, acredito que faltou um pouco mais de detalhamento e algumas explicações que poderiam ter deixado o livro mais interessante. É uma história um pouco diferente das já publicadas pelo autor, mais no sentido da forma de escrita do que no tema.

Com uma ótima edição e ilustrações é um livro que eu recomendo, especialmente para quem gosta de ficção científica.

Nota 8

Engenheiro eletricista, rato de biblioteca e apaixonado por livros, filmes, jogos de computadores e de tabuleiro.

Resenha – The End Of All Things

The End Of All Things CapaThe End Of All Things (Guerra do Velho #6)
Autor: John Scalzi
Editora: Tor Books
Páginas: 380
Comprar: Amazon

Sinopse
Humans expanded into space…only to find a universe populated with multiple alien species bent on their destruction. Thus was the Colonial Union formed, to help protect us from a hostile universe. The Colonial Union used the Earth and its excess population for colonists and soldiers. It was a good arrangement…for the Colonial Union. Then the Earth said: no more.

Now the Colonial Union is living on borrowed time—a couple of decades at most, before the ranks of the Colonial Defense Forces are depleted and the struggling human colonies are vulnerable to the alien species who have been waiting for the first sign of weakness, to drive humanity to ruin. And there’s another problem: A group, lurking in the darkness of space, playing human and alien against each other—and against their own kind —for their own unknown reasons.

In this collapsing universe, CDF Lieutenant Harry Wilson and the Colonial Union diplomats he works with race against the clock to discover who is behind attacks on the Union and on alien races, to seek peace with a suspicious, angry Earth, and keep humanity’s union intact…or else risk oblivion, and extinction—and the end of all things.

Opinião
Este é o sexto e último livro da série “Guerra do Velho”, que começou com o livro de mesmo nome. O livro é dividido em quatro partes, focando em um personagem e contando uma parte dos últimos dias das coisas como elas são. A história é cheia de tramas políticas e questões diplomáticas envolvendo a Terra, a União Colonial e a Conclave.

Achei a história muito boa, mais focada nas tramas políticas do que na ação. Não há muitos elementos novos dentro do universo da “Guerra do Velho”, portanto não espere nenhuma grande novidade. É um livro em que você passa o tempo inteiro com aquele sentimento de que as coisas estão ruins e que logo vão acabar da pior maneira para a humanidade.

Eu gosto muito da escrita do John Scalzi, acho ela fluida e dinâmica. São livros que não são maçantes e te prendem na história desde o início. Neste livro, a divisão em quatro partes foi muito bem feita, fazendo total sentido dentro do contexto maior. Os personagens não são profundamente caracterizados ou psicologicamente desenvolvidos, até porque cada parte tem o seu personagem principal. No entanto, os personagens são suficientemente descritos de maneira que que você sinta empatia por cada um e tenha vontade de continuar a ler suas histórias.

Achei o livro muito bom, digno da séria que ele encerra. Acredito que alguns pontos ainda ficaram muito abertos. Por exemplo, no plano final não dá para saber se todos cumprirão as suas partes ou se todos vão viver felizes para sempre. Existe brecha para um novo livro, mas acredito que a maioria dos pontos foram resolvidos e que uma continuação dessa história seria muito difícil. O que não impede um novo livro da série com uma história de uma época passada, por exemplo a criação da União Colonial.

Nota 9

Engenheiro eletricista, rato de biblioteca e apaixonado por livros, filmes, jogos de computadores e de tabuleiro.

Resenha – O Perfume

Capa do livro O PerfumeO Perfume – A História de um Assassino
Título original: Das Parfum – Die Geschichte eines Mörders
Autor: Patrick Süskind
Editora: Editora Record
Páginas: 279
Comprar: Amazon|Submarino|Americanas

Sinopse
França, século XVIII. O recém-nascido Jean-Baptiste Grenouille é abandonado pela mãe junto a restos de peixes em um mercado parisiense. Rejeitado também pela natureza, que lhe negou o direito de exalar o cheiro característico dos seres humanos, pelas amas-de-leite e por instituições religiosas, o menino Grenouille cresce sobrevivendo ao repúdio, a acidentes e doenças. Ainda jovem descobre ser dotado de imensa sensibilidade olfativa e parte em busca da essência perfeita, do perfume que lhe falta para seduzir e dominar qualquer pessoa. Nessa busca obsessiva, ele usurpa a essência dos corpos de suas vítimas.

Opinião
Recentemente o podcast Covil de Livros fez um cast sobre o livro O Perfume e chamou muito minha atenção. Esse livro é de 1985 mas eu nunca tinha ouvido falar nele, o que me deixou espantada pois até tem um filme baseado nele que eu também não conhecia. É, eu sei, sou desinformada mesmo 😛 Pois bem, assim que eu acabei de ouvir o podcast, fui correndo atrás do livro.

Em O Perfume Patrick Süskind nos mostra o mundo a partir de outro ponto de vista, ou melhor, a partir de cheiros. Com seu personagem Grenouille desprovido de qualquer odor característico mas que possui um super poder olfativo, vamos acompanhando sua saga desde seu nascimento até sua vida adulta onde tudo se baseia em cheiros.

Desde pequeno Grenouille causa estranhamento nas pessoas mas elas não sabem o porque mas isso ocorre pois a criança não exala nenhum cheiro. Quando ele vai crescendo e descobrindo sua hipersensibilidade olfativa, Grenouille começa a trabalhar com um perfumista e, por conta de seu dom, consegue combinar vários ingredientes para criar perfumes perfeitos e harmônicos. Além disso, ele sabe a importância que os cheiros tem para as pessoas e com isso começa a criar um perfume para cada sentimento que ele quer despertar. Quer passar desapercebido? Quer ser desejado? Quer transparecer bondade e inocência? Grenouille controlava facilmente as pessoas pelo seu cheiro artificial. Isso não seria um problema tão grande se Grenouille parasse por ai mas ele decidiu fazer o melhor perfume do mundo, que despertasse os desejos mais intensos nas pessoas que o sentisse.

A história parece ser sem graça no começo mas é impossível não mergulhar na sua história usando nossa memória olfativa. Enquanto você lê o livro, toda a descrição de cheiros dada por Patrick Süskind compõe seu cenário sem se preocupar muito com a descrição visual das coisas.

O livro é pequeno mas achei que as vezes o autor pecou no excesso de descrição e em certas partes o livro ficou bem maçante. De qualquer forma vale a pena a leitura, achei a história muito criativa e, por mais maluca que pareça, totalmente crível.

Nota 8

Blogueira, booktuber e desenvolvedora de sistemas . Apaixonada por livros, séries, chocolate e coisinhas fofas.
This site employs the Wavatars plugin by Shamus Young.