Tag: Intrínseca

Resenha – Como Eu Era Antes de Você

Como Eu Era Antes de Você
Título Original: Me Before You
Autor: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Como Eu Era Antes de Você – Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe.

Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.

Opinião
Louisa Clark, uma mulher de 26 anos que não sabe o que fazer da vida, é demitida do café onde trabalhava como garçonete. Após várias tentativas frustradas em novos empregos, surgiu a oportunidade de cuidar de Will Traynor, um rico e jovem tetraplégico. Apesar de Louisa não ter experiência como cuidadora, a mãe de Will acha que ela pode trazer um pouco de animação para seu filho que vive com em constante mal humor e deprimido.

O trabalho de cuidadora foi mais difícil do que Louisa pensava pois Will a trata rudemente e nunca a quer por perto.
Além de ter problemas no trabalho, Lou namora Patrick, que a agradava muito até se tornar triatleta. Depois disso, Patrick só pensa em treinos, calorias e competições e Lou se sente rejeitada. Para completar, sua família passa por problemas financeiros e por mais que ela deseje largar esse emprego, não pode porque deve ajudar a sustentar a casa.

Eu fiquei apaixonada e ao mesmo tempo muito irritada com os personagens.
Will, por exemplo, era um homem ativo, gostava de trabalhar e viajar até acontecer o acidente que o deixou tetraplégico. Ele não aceita sua atual condição e já tentou se matar para acabar logo com seu sofrimento pois além de não conseguir se mexer, sente constantes dores e toma diariamente vários remédios para controlá-las.

Por estar nesta situação e sem perspectiva de melhora, Will se torna uma pessoa infeliz e amargurada, o que é totalmente compreensível, mas Lou parece não entender.
Ela é muito egoísta, não só com Will mas também com sua irmã que já tem um filho. Sempre se faz de vítima e acha que tudo é mais difícil na vida dela. Deu muita vontade de entrar no livro e sacudir a personagem para ela acordar para vida rs

Felizmente ao longo do livro, Lou amadurece e nem parece a mesma pessoa do inicio da história. Ela compreende as dificuldades de Will e tenta fazer a vida dele um pouco melhor e mais divertida, o que nem sempre da certo, mas os dois acabam se entendendo e criando um forte vinculo.

“Como eu era antes de você” é aquele livro que vai te arrancar sorrisos e lágrimas muitas lágrimas um rio de lágrimas. Mais do que um romance, é um livro para refletir sobre a vida.

Abaixo um diálogo entre Lou e Will após ele contar a ela as viagens e aventuras que já tinha vivido.

— Não acha que é mais difícil para você… se adaptar, digamos assim… Porque você fez todas essas coisas?
— Está perguntando se eu preferia não ter feito nada?
— Estava pensando se não seria mais fácil para você. Se tivesse tido uma vida menos rica antes. Viver assim, como você vive agora, quero dizer.
— Jamais me arrependerei do que fiz. Porque, quase sempre, se você está enfiado numa cadeira assim, só pode ir aos lugares da lembrança.

Nota 9

Resenha – Eu Me Chamo Antônio

Eu Me Chamo Antônio
Autor: Pedro Gabriel
Editora: Intrínseca
Páginas: 192
Amazon | Submarino

Sinopse
Eu Me Chamo Antônio – Antônio é o personagem de um romance que está sendo escrito e vivido. Frequentador assíduo de bares, ele despeja comentários sobre a vida — suas alegrias e tristezas — em desenhos e frases escritas em guardanapos, com grandes doses de irreverência e pitadas de poesia. Antônio é perito nas artes do amor, está sempre atento aos detalhes dos encontros e desencontros do coração. Quando está apaixonado, se sente nas nuvens e nada parece ter maior importância, e, quando as coisas não saem como esperado, é capaz de enxergar nas decepções um aprendizado para seguir adiante. Do balcão do bar, onde Antônio se apoia para escrever e desenhar, ele vê tudo acontecer, observa os passantes, aceita conversas despretensiosas por aí e atrai olhares de curiosos. Caso falte alguém especial a seu lado (situação bastante comum), Antônio sempre se acomoda na companhia dos muitos chopes pela madrugada.

Opinião
Não sei como começar essa resenha e nem como fazê-la pois o livro me surpreendeu de um modo negativo. O peguei para ler porque já vi muita gente comentando sobre ele e quis ver o que tinha de tão especial. A resposta é… Nada.

“Eu Me Chamo Antônio” é cheio de imagens e frases. A arte é realmente boa, nesse ponto o livro está de parabéns, e não dei nota 3 por conta do visual dele mas a escrita deixou muito a desejar.

Antes de me julgar, condene-se.

As frases são muito clichês e algumas foram escritas de um modo que não é muito fácil de compreender por conta da caligrafia utilizada pelo autor, tanto que ele teve que criar um “índice” ao final do livro contendo as frases digitadas para quem não entendeu o que estava escrito.

Amores engessados já nascem quebrados.

Não entendi qual o propósito do livro já que nem uma reflexão mais profunda pode ser tirada dele. A parte boa é que ele é bem rápido de ler e foi isso me impediu de abandoná-lo mas achei uma leitura pobre e fiquei bem decepcionada. Apesar de ter 192 páginas, elas só tem imagens e frases gigantes então em meia hora, no máximo, é possível finalizá-lo.

Nota 4

Resenha – O Código Bro

O Código Bro
Título Original: The Bro Code
Autor: Barney Stinson e Matt Kuhn
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580574593
Páginas: 208

Sinopse
O que é um Bro? Um Bro é um companheiro em quem você poda confiar eternamente e que estará sempre pronto para ajudá-lo — a menos que tenha coisa melhor para fazer. Agora imagine um livro que ensine os Bros a viver em harmonia, ter casos de uma noite só, levar sempre a quantidade certa de bebida para uma festa ou fingir um profundo conhecimento de esportes e mecânica, entre outras habilidades incríveis. Barney Stinson, um homem lindo e disponível, reconhecido por ter revolucionado a blogosfera com seu www.barneysblog.com, compilou esse código para que Bros do mundo inteiro possam esquecer suas diferenças e estreitar os laços de irmandade. Então, e somente então, conseguirão trabalhar juntos para vencer o maior desafio enfrentado pelo homem: transar.

Opinião
O sitcom How I met your mother (no Brasil, Como eu conheci sua mãe) faz muito sucesso nos EUA e atualmente está em sua 9ª e última temporada. Recentemente a série estreou na TV aberta no Brasil e aproveitando isso, o livro “O código Bro” foi lançado em português.

Barney Stinson

No seriado tem um personagem chamado Barney Stinson que é simplesmente awesome! O cara é um mentiroso, pegador que conta várias histórias absurdas para pegar mulher e para provar alguns pontos para seus amigos. Além disso, ele tem um conjunto de regras de como os Bro’s devem agir.

“A mentira é apenas uma grande história que alguém arruinou com a verdade.”
-Barney Stinson

Nesse livro, Stinson fez o apanhado de todo seu amplo conhecimento sobre esses códigos de conduta e criou uma espécie de bíblia para Bro’s!

Eu estava um tanto preocupada com a tradução desse livro porque, com certeza, algumas piadas se perderiam mas devo dar os parabéns para o tradutor Edmundo Barreiros que fez um bom trabalho e no resultado final poucas coisas se perderam e ainda sim continuaram engraçadas.

O livro é pequeno e muito rápido de ler porque em casa página tem um código diferente. Alguns tem mais detalhes sobre a regra porém a maioria só tem o item sem mais descrições.

É aquele livro para ler em um dia e quando quiser dar muitas risadas.

Nota Legen… wait for it… dary! (8) 😀

Resenha – A Culpa é das Estrelas

A Culpa é das Estrelas
Título Original: The Fault in Our Stars
Autor: John Green
Editora:Intrínseca
ISBN: 9788580572261
Páginas: 288
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Os adolescentes Hazel e Gus gostariam de ter uma vida normal. Alguns diriam que não nasceram com estrela, que o mundo deles é injusto. Os dois são novinhos, mas se o câncer do qual padecem ensinou alguma coisa, é que não há tempo para lamentações, pois, se aceitamos ou não, só existe o hoje e o agora. E assim, com a intenção de realizar o maior desejo de Hazel – conhecer seu escritor favorito – ambos cruzarão o Atlântico para uma aventura contra o tempo, tão catártico quanto devastador. Destino: Amsterdam, o lugar onde reside o enigmático e mal-humorado escritor – a única pessoa que talvez possa ajudar-lhes a encaixar as peças do enorme quebra-cabeça onde se encontram.

Opinião
Eu vejo comentários positivos desse livro desde seu lançamento mas como a fila de leitura não para de crescer, fui deixando ele para depois.
Esses dias peguei ele ao acaso e me arrependi profundamente por ter demorado tanto para ler! O livro é muito mais emocionante do que eu pensava.
Ele retrata a dor de Hazel, uma adolescente com câncer terminal que se encontra em depressão. Por conta de sua doença, os pais a tiraram da escola e eles eram praticamente as únicas pessoas que Hazel tinha contato até conhecer Gus e começar a se envolver com ele.
Hazel se sentia uma bomba relógio perto de explodir e, por conta disso, tentava não se envolver tanto com Gus mas o que eles sentiam um pelo outro não pôde ser evitado.

Com o câncer a assombrando, um escritor excêntrico como ídolo, uma família amável e com seu parceiro Gus, Hazel consegue sair da depressão que se encontrava e começa a viver o pouco de vida que lhe resta.
“A Culpa é das Estrelas” é um livro intenso, triste e com uma reviravolta inesperada. O final da história não foi o que eu esperava, acabou sendo mais triste do que eu pensava que seria.

Uma coisa que me deixou extremamente curiosa foi que durante o livro, Hazel fala muito do livro “Uma Aflição Imperial” e eu, obviamente, fui procurá-lo mas… ele não existe! E John Green não pretende escrevê-lo. #leitorachatiada 🙁
Fora essa maldade do John Green, o livro é maravilhoso e muito comovente. Não é a toa que ele foi um dos livros mais vendidos de 2013.
E deixo aquele aviso básico: leia com lenços por perto porque esse é de chorar litros!

Nota 9

Resenha – Cinquenta Tons de Cinza

Cinquenta Tons de Cinza
Título Original: Fifty Shades of Grey
Autor: E. L. James
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580572186
Páginas: 455
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja, mas em seus próprios termos.

Opinião
Após muito buzz em cima do livro e um especial que a Fanny do O Restaurante do Fim do Universo fez, eu me empolguei para ler e ver o que causava tanta polêmica.

Para quem não sabe, Cinquenta Tons de Cinza surgiu de uma fanfic de Crepúsculo, ou seja, possui alguns elementos que serviram como base para que E. L. James desenvolvesse sua história mas se pensa que aqui você irá ver um romance meloso ou sobrenatural, está muito enganado!

Assim como Crespúsculo, temos a garota sem graça Anastasia que se apaixona por um homem aparentemente perfeito, o tão falado Christian Grey. Mas o Sr. Grey não é do tipo romântico como Edward, ele gosta de algo mais… “selvagem”. Como já dizia uma música do Supla (oi?) “Se um tapinha não dói, a porrada vai comer” e é isso que temos em Cinquenta Tons de Cinza que causou todo esse alvoroço.
Enquanto Anastacia fica apaixonada e sonhando acordada, Christian quer que ela aceite um contrato de submissão onde ele não só terá o controle sexual dela mas também sobre o que ela veste, o que come, quando come…

Não sei se é pela temática BDSM, pelo romance ou pelo mistério que ronda a vida de Christian mas esse livro entretem muito.
Sendo sincera, o livro é bem mal escrito, repetitivo, a personagem só sabe ruborizar 10 vezes por minuto e falar sobre a “deusa interior” o que me irritou muito e a cada vez que eu lia dava vontade de largar o livro mas tem algo que não me deixou. De fato não sei o que é mas não conseguia parar de ler e quero muito saber o que aconteceu no passado de Christian que o fez ser assim, então terei que aguentar Anastacia e sua “deusa interior” dos infernos mais um pouco. 😀

Seja para falar bem ou para falar mal, indico a leitura. Porque considerando o tanto de mulheres recatadas lendo-o em público com a capa escondida (sim, vejo muitas fazendo isso) creio que agrade até as mais “certinhas” mas se você for uma feminista… se prepare para queimar o livro em praça pública :D.

Nota 7

This site employs the Wavatars plugin by Shamus Young.