Tag: Nota 6

Resenha – 1Q84 – Livro 1

1Q84 – Livro 1
Título Original: 1Q84
Autor: Haruki Murakami
Editora: Alfaguara
Páginas: 432
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Assumidamente inspirado na obra-prima de George Orwell, o título se situa no ano de 1984. No primeiro volume, Murakami apresenta Aomame, uma mulher que esconde a profissão de assassina. Em uma tarde no início de abril, ela está parada num táxi, em meio ao trânsito de uma via expressa de Tóquio. Temendo não chegar a tempo de resolver uma pendência no bairro de Shibuya, ela se vê diante de uma opção inusitada proposta pelo motorista: descer do veículo e seguir por uma escada de emergência em plena avenida.

Apesar de um estranho aviso do taxista, que diz que as coisas à volta dela se tornarão estranhas ao fazer algo tão incomum, Aomame segue a sugestão inicial. Após descer a escada de emergência e seguir seu caminho, ela repara aos poucos que certos aspectos da realidade se tornaram diferentes: por exemplo, as armas utilizadas pelos policiais não são mais pistolas e as manchetes nos jornais são completamente distintas em relação às que ela havia lido nos últimos dias.

Em paralelo à trama de Aomame, o professor de matemática e aspirante a escritor Tengo se envolve em um misterioso projeto de refazer um romance escrito por uma menina de 17 anos. Apesar do receio em assumir o papel de escritor fantasma de Crisálida no ar, um livro fantasioso e enigmático mas cheio de pequenos defeitos, ele se convence a realizar a tarefa. Mas, para isso, deve conhecer antes a autora, uma estranha jovem chamada Fukaeri.

À medida em que as histórias vão se alternando, Aomame continua a perceber diferenças sutis na realidade. Ela se dá conta que, ao descer a escada de emergência da via expressa, passou de alguma forma a habitar um mundo discretamente distinto – que acaba batizando de 1Q84. Já Tengo, aos poucos, passa a reparar em estranhas semelhanças entre a ficção fantasiosa de Fukaeri e a realidade, além de perceber que parece correr algum tipo de perigo quando se vê envolvido com uma misteriosa seita. De forma alternada, Murakami narra duas histórias que aos poucos convergem.

Opinião
1Q84 foi o livro que testou meus princípios de bookaholic que odeia abandonar um livro depois de ter começado a ler.

Como dito no post “Sobre os riscos de se sentir burro durante uma leitura“, é um livro que tem muitas avaliações positivas e Haruki Murakami é um escritor japonês renomado que muita gente adora e eu estava me sentindo uma mula por que apenas conseguia tirar um cochilo antes de ler 2 páginas.

Pois bem, eu odeio largar um livro pela metade então segui firme e forte na leitura noturna e finalmente consegui terminá-lo. O problema é que esse livro é apenas a primeira parte da história!
Resultado? Challenge accepted! Vou insistir ainda mais e acabar essa trilogia!.

A história é focada basicamente em dois personagens: Aonami e Tengo. Cada capítulo é centralizado em um deles alternadamente. Aonami é uma assassina profissional e Tengo um escritor que aceita fazer modificações em um livro, Crisállida de Ar escrito por uma garota chamada Fukaeri, porém o livro será lançado como se fosse inteiramente dela, ou seja, uma atividade de moral duvidosa.
Em meio a tudo isso, Aonami nota que o mundo está mudando e que ela não se lembra de acontecimentos importantes do ano que está vivendo 1984 e o chama de 1Q84.

O maior problema desse livro é que Haruki Murakami é muito detalhista e deixa a leitura arrastada, por exemplo, umas 15 páginas apenas com Aonami dentro de um táxi presa em um engarrafamento, devaneando sobre tudo ao seu redor, o taxista, a música e onde ela ouviu a música, o que ela vai fazer quando sair dali…

Agora você me pergunta “Mas por que raios você vai continuar insistindo nesse livro?”. Bem… além do livro ter me ajudado com a insônia 😀 , quase ao final do livro o autor inseriu uma sociedade secreta, seres estranhos e aparentemente um mundo paralelo, dando um toque de fantasia que me deixou bem curiosa.

Os livros não são pequenos (parte 2 tem 376 páginas e parte 3 tem 472 páginas) mas vou insistir, quem sabe apenas a “introdução” de 400 páginas foi maçante e o resto se torna interessante?
Espero que o próximo livro mude minha ideia sobre 1Q84.

Nota 6

Resenha – Quando Tudo Volta

Quando Tudo Volta
Título Original: Where Things Come Back,
Autor: John Corey Whaley
Editora: Novo Conceito
Páginas: 224
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Uma morte por overdose. Um fanático estudioso da Bíblia. Um pássaro lendário. Pesadelos com zumbis. Coisas tão diferentes podem habitar a vida de uma única pessoa? Cullen Witter leva uma vida sem graça. Trabalha em uma lanchonete, tenta compreender as garotas e não é lá muito sociável. Seu irmão, Gabriel, de 15 anos, costuma ser o centro das atenções por onde passa. Mas Cullen não tem ciúmes dele. Na verdade, ele é o seu maior admirador. O desaparecimento (ou fuga?) de Gabriel fica em segundo plano diante da nova mania da cidade: o pica-pau Lázaro, que todos pensavam estar extinto e que resolveu, aparentemente, ressuscitar por aquelas bandas. Em meio a uma cidade eufórica por causa de um pássaro que talvez nem exista de verdade, Cullen sofre com a falta do irmão e deseja, mais que tudo, que os seus sonhos se tornem realidade. E bem rápido.

Opinião
“Quando tudo volta” se passa em uma típica cidadezinha do interior, chamada Lily, onde nada acontece.
Até que um dia viram um pássaro que parecia o pica-pau Lázaro, que até então todos tinham o conhecimento de que ele estava extinto, e isso trouxe animação e esperança para a pequena cidade.
Ao contrário de todos os outros moradores que estavam felizes com a notícia, Cullen Witter ficava revoltado com a atenção que o pássaro estava recebendo. Para completar sua infelicidade, seu irmão Gabriel desapareceu e a sensação que Cullen tinha era que a cidade estava mais preocupada em avistar o pica-pau Lázaro do que procurar seu irmão.

Além da história de Cullen, temos alguns capítulos falando de Benton Sage, um garoto religioso que decidiu ser missionário mas em sua primeira viagem à Etiópia começou a questionar certos pontos sobre suas crenças.
Assim que comecei a ler, fiquei curiosa para saber onde Benton se encaixava na história. Mais adiante vi que não fazia nenhum sentido o personagem existir e chegando no desfecho do livro… Meu cérebro explodiu!
Uma série de acontecimentos fizeram sentido e as duas histórias completamente distintas se cruzaram de forma totalmente inesperada.

Apesar do desaparecimento de Gabriel, “Quando tudo volta” não é um livro com muitas emoções. A narração gira em torno de Cullen e em como ele se sentiu com toda a situação de Lily se tornando a “cidade do pica-pau” e de seu irmão desaparecido. Se o livro fosse maior seria cansativo mas como é pequeno, esse mistério sobre Gabriel é o suficiente para manter a atenção do leitor.

Talvez o autor tenha focado menos em Gabriel e mais na cidade de Lily e no pássaro para nos mostrar como Cullen se sentia. Se for isso, funcionou! Fiquei irritada com o tal pica-pau tirando todo o foco da história que interessa.

O livro é bom mas o autor poderia ter aproveitado mais do enredo que tinha em mãos. De qualquer forma, John Corey Whaley foi feliz na conexão das duas histórias e deu à narração um final surpreendente.

Nota 6

Resenha – O Amor Mora Ao Lado

O Amor Mora Ao Lado
Título Original: Family affair
Autor: Debbie Macomber
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630526
Páginas: 160
Amazon | Submarino | Americanas

Sinopse
Lacey Lancaster sempre quis ser esposa e mãe. No entanto, depois de um divórcio bastante doloroso, ela decide que é hora de dar um tempo em seus sonhos e seguir sozinha mesmo. Mas não tão sozinha: sua gatinha abissínia, Cléo, torna-se sua companhia de todas as horas. Até é uma vida boa — um pouco aguada, é verdade — a de Lacey. A não ser por seu escandaloso vizinho, Jack Walker. Quando Jack não está discutindo, sempre em voz muito alta, com sua namorada — com quem insiste em morar junto — está perseguindo seu gato, chamado Cão, pelos corredores do prédio. E Cão está determinado a conseguir que a gatinha Cléo sucumba aos seus avanços felinos. Jack e Cão são realmente muito irritantes. Mas acontece que a primeira impressão nem sempre é a que fica…

Opinião
Lacey é uma mulher desiludida e divorciada que jurou a si mesma que não precisaria de nenhum homem. Totalmente arrasada, decidiu se mudar para um novo apartamento e lá conheceu seu vizinho Jack, um homem bonitão do tipo irresistível. Já sabemos o final dessa história, certo?

O livro é bem pequeno e tem as letras grandes, ou seja, em poucas horas é devorado. Para completar, sua diagramação é uma graça mas seus desenhos tomam uma boa parte da página.

O fato de ser previsível tira um pouco a magia do livro mas apesar disso “O Amor Mora ao Lado” é bem gostoso de ler. É um ótimo livro para sair de uma ressaca literária.

Nota 6

Resenha – O Ônibus da Energia

O Ônibus da Energia
Título Original: The Energy Bus
Autor: Jon Gordon
Editora: Sextante
ISBN: 9788575424629
Páginas: 160
Amazon

Sinopse
A vida de George está de cabeça para baixo. Em casa, ele já não consegue se entender com a mulher e nunca tem tempo para os filhos. No trabalho, ele tem fracassado como líder, sua equipe está perdida e seu emprego, ameaçado. Ele já não sabe o que fazer para consertar as coisas. Como um desses males que vem para bem, numa certa manhã, George encontra um dos pneus de seu carro furado e se vê obrigado a pegar o ônibus para ir ao trabalho. Ele ainda não sabe, mas está prestes a embarcar numa viagem que vai mudar sua vida. Assim como George, todos nós enfrentamos desafios e passamos por dificuldades. Muitas vezes, para alcançarmos o sucesso, temos de lidar com a negatividade – tanto a nossa quanto a dos outros. Em O Ônibus da Energia, Jon Gordon nos convida a embarcar numa viagem esclarecedora rumo ao sucesso.

Opinião
“O Ônibus da Energia” é um livro pequeno que à primeira vista parece um livro infantil mas seu conteúdo é fundamental para ter sucesso na vida.
Sabe aqueles dias que acordamos de mau humor e que tudo parece dar errado? Isso é o que estava acontecendo na vida do personagem George. Ele andava desmotivado em todas as áreas de sua vida e tudo parecia piorar a cada dia. Até que em uma manhã, para completar sua maré de azar, ele descobriu que o pneu de seu carro estava furado e ele teve que pegar um ônibus para ir ao trabalho. Para a sorte de George esse não era qualquer ônibus, era o ônibus da energia.
Esse ônibus, dirigido pela motorista Joy, tinha um objetivo: motivar e mudar a vida de qualquer pessoa que entrasse nele.
Joy e seus outros passageiros ensinaram para George 10 regras que ao serem aplicadas transformaram a forma como George via sua família e seus subordinados.

Esse livro é indicado para qualquer pessoa mas acho que será mais útil para líderes de equipe, porque muitos enfrentam o mesmo problema de George que é o de motivar sua equipe e a si mesmo e fazer todos trabalharem na mesma sintonia buscando um só objetivo sem a costumeira briga de egos.

As 10 regras são feitas com base na analogia de que a vida é o ônibus e que devemos ser o motorista dela. Com isso, finalizo com a regra número 10: Divirta-se e aproveite a viagem!

Nota 6

Resenha – A Sabedoria do Condado

A Sabedoria do Condado
Título Original: The Wisdom Of The Shire
Autor: Noble Smith
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630618
Páginas: 176
Amazon

Sinopse
Um guia do Hobbit para a vida de milhões de fãs do J.R.R. Tolkien. Smith mostra que uma toca-hobbit é, na verdade, um estado de espírito e como até as menores pessoas podem ter o valor de um Cavaleiro de Rohan. Ele explora assuntos importantes para os hobbits, como cerveja, comida e amizade, mas também assuntos mais sérios, como coragem, vida em harmonia com a natureza e bem versus mal. Como prazeres simples como jardinagem, longas caminhadas e refeições deliciosas com amigos podem fazer você significativamente mais feliz? Por que o ato de dar presentes no seu aniversário em vez de recebê-los é uma ideia tão revolucionária? E como podemos carregar nosso próprio “anel mágico” sem sermos devorados por ele? “A Sabedoria do Condado” tem a resposta para essas perguntas.

Opinião
Para os fãs desavisados de Tolkien, lá vai o aviso: esse livro é um auto-ajuda difarçado.

Noble Smith usou a vida de um Hobbit para mostrar os valores e atos importantes para se ter uma vida feliz.
A cada capítulo ele aborda um assunto diferente, como: se alimentar bem, ter uma casa aconchegante, fazer exercicíos e ao final de cada um ele deixa uma frase de estímulo.

Esse livro não é do tipo de auto-ajuda que eu não gosto (aqueles que dizem que você é especial para o universo ou completamente utópicos…) mas mesmo assim achei ele um pouco cansativo, talvez por dizer coisas óbvias demais ou por não ter lido o Hobbit e o Senhor dos Anéis e por isso não ver tanta graça nas referências #shameonme.

Para quem “viaja” na Terra Média poderá gostar mais do livro e se inspirar nos seres pequenos de pés peludos para ter uma vida plena.

Nota 6

This site employs the Wavatars plugin by Shamus Young.